Santos e Santos

A Marca Atlantic Wood, não é mais do que o reflexo natural do nosso posicionamento na fileira florestal. Ela afirma por um lado toda a defesa da sustentabilidade e dos ecossistemas e rejeita por outro a devastação que tem vindo a acontecer na “rainforest”.

A Atlantic Wood®, tem assim no seu próprio ADN e em todas as actividades que desenvolve a marca e
os princípios básicos da sustentabilidade, assumida nas suas 3 vertentes:

Sustentabilidade Económica – a floresta tem que ser auto-sustentável criando valor capaz de manter e
atrair investidores e distribuibuir os rendimentos gerados;

Sustentabilidade Ambiental – a floresta tem que reforçar o seu papel de sequestradora de carbono, purificadora do ar ambiente, do ar que respiramos todos os dias, das paisagens que nos enchem a alma, qual colírio para os olhos, e um verdadeiro sustentáculo de biodiversidade;

Sustentabilidade Social – a floresta tem que ter “gente dentro” que nela vivam e trabalhem, permitindo bem-estar social na comunidade envolvente, reforçando os laços com esta e valorizando no mercado os seus outputs. A sociedade tem de ser capaz de olhar para a floresta como um ente de que depende a sobrevivência da espécie humana.

atlanticwood-8.jpg

Missão


Prestação de serviços florestais e ambientais, que salvaguardem a floresta, recuperem os
ecossistemas e minimizem a pegada de carbono, criando valor, bem como a colocação de produtos
no mercado que superem as legítimas expectativas dos nossos clientes.

 


Visão


Assumir a empresa como referência no mercado global de produtos acabados em madeira
provenientes de florestas sustentáveis. Assumir a empresa como player de referência Nacional na
prestação de serviços florestais e ambientais.

sustentabilidade-empresarial.jpg

Sustentabilidade


A Santos & Santos teve sempre, desde a sua génese em 1949, genuínas preocupações de
sustentabilidade, numa altura em que esse era não só um conceito ainda por inventar, mas
também um aspeto ignorado e negligenciado pela sociedade e pela maior parte do tecido
económico.
Atualmente as crescentes e vertiginosas preocupações a nível mundial em matéria de proteção do
ambiente, sequestro de carbono, segurança e saúde no trabalho e, genericamente, da qualidade
dos bens e serviços adquiridos, têm obrigado as empresas da fileira a ajustarem as suas estratégias
e atuações a este novo paradigma.